...

Perco-me entre textos, poesias e músicas, percebi então que a melhor forma de arquivar era dividir. Nesses anos, muito do que não se perdeu foi graças a quem acompanha meu trabalho. Assim, na imensidão virtual deixo essas pegadas, parecem dois únicos pés, mas acreditem, carrego muito de vocês aqui.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Aprende a dividir quem um dia também recebeu


video
Não lembro o ano, apenas a cidade, Santa Maria/RS, alguma festa popular rolava por lá. Estávamos eu e um amigo em uma das principais avenidas da cidade, bebíamos e conversávamos até que um morador de rua - mendigo na linguagem popular, parou diante nós puxando assunto, demos a famosa 'trela' e claro ele ficou por aí, como o cão que recebe ossos e já vê aquelas mãos como a de um herói. Lembro que o cara tinha 1 litro da cachaça Velho Barreiro. A garrafa ainda estava lacrada, mas isso não impediu aquele senhor maltrapilho de nos oferecer o liquido precioso. Sim, precioso, mais do que comida, mais até mesmo que dinheiro - pelo menos para a maioria dos moradores de rua que conheço. O fato é que aquele barbudo invisível para a maioria não exitaria em dividir toda sua bebida, seu único bem conosco.


O egoísmo é aprendido, falsamente interpretado como necessidade. Mais é melhor, logo, dividir é menos. Só quem já recebeu pão de outras mãos entende que dividir não é menos, mas sim mais. Você deixa de por um pouco de comida pra dentro, mas põe pra fora a ação de gerar consequências positivas. Quem divide não se divide, ao contrário, se soma, junta fragmentos a esse tão desconexo quebra-cabeça da existência.

Por isso o vídeo não me surpreendeu. Aquele a negar a divisão no início não conhece os fins, ele nunca passou dos meios para entender que o simples de dar é um ato de receber. Já o mendigo de cabeça baixa e pés descalços, este sabe o significado da mão que se estende, ele entende que a que dá é a mesma que recebe. Por isso ele também não pede nada em troca, pois há um lado sábio nesses andarilhos, ele e outros sabem sobre a bondade e no silêncio que esta cabe.